logo

Entrevista

Empresário Alisson Holanda ATENTO AOS SINAIS

Fábio Bernardo 05/12/2016 às 10:19

“Evoluir para crescer” – é essa a meta do empresário Alisson Holanda… Tão jovem, tão centrado, bem sucedido, já com larga experiência de vida – e pulsação!

Mas essa não pode parecer uma frase óbvia, e sim uma lição que se aplica plenamente ao já gigante empreendedor da construção civil na Paraíba, que fala com desenvoltura, como se estivesse num debate, cheio de argumentos, totalmente sintonizado com a demanda e o avanço da cidade de João Pessoa que se avantajou, tendo ele como parte dessa descoberta.
Se voltarmos lá atrás – e a gente volta apenas como um fator memorável – tudo começou desde que ele era menino. Seus pais Aldenor Holanda e Adelaide Araújo fundaram a empresa há mais de 40 anos e Alisson entrou nessa história aos vinte e poucos. “Meus pais tinham um grande sonho de fazer uma empresa familiar e construir com excelência”, lembra.
Esse sonho – e sonhar nunca é impossível – fez com que o filho acreditasse numa realidade materializada. “Exatamente: foi o sonho deles que passei a perseguir com muita força. Acho que isso está no meu DNA. Já vim pronto para enveredar pelo segmento que me foi passado através da geração”.
Alisson diz com todas as letras que cresceu acreditando que a construção civil, essa busca por ela, faz toda diferença, ao construir para nunca ser desconstruído. Aos 37 anos, ele está começando uma trajetória em que o sucesso já é destino certo. E nem precisa ir tão longe… Está no semblante dele, o menino que virou homem. “Quando eu era criança, meu pai comprava brinquedos com peças para montar cidades. A gente fazia ruas, casas, comércios. Sempre brincávamos, eu e minhas irmãs, de fazer construções”. É assim mesmo: o que tem que ser, tem muita força.
Curioso, Alisson logo cedo botou os pés na empresa da família. Queria sair das brincadeiras e enfrentar o cimento, o calor do ferro, a pedra, tudo que lhe desse ideia de um projeto maior, como os empreendimentos que eles fazem hoje, espalhando verdadeiras vitrines de concreto que se misturam a beleza da vida que se leva perto do mar.
“A gente tinha tratores e isso já era um avanço, na nossa vida corriqueira que levamos até hoje. O desejo de muito jovem e o querer da família em acreditar, enxergando o mercado, o futuro – o que de minha parte sempre foi muito bem recebido – me fez gostar de empreender por esse caminho”, reforça.

Primeiros passos
A mão na massa ele começou a colocar em 1999. E ali mesmo, naquele ano, entrou como co-autor de um projeto que já existia, o edifício “Alisson Holanda”, que leva seu nome. “Eu o acompanhei do meio para o fim da execução. Era um dos projetos que meu pai tinha – além do Adelaide Holanda”. Os prédios a que ele se refere estão no bairro do Miramar, com os nomes de filho e mãe colados.
“Após esse trabalho realizado, meu pai já tinha dois outros projetos em execução: o Paulo Borges e o Intermares Palace – em ambos, e inclusive no Alisson, eu fiz alguns “upgrades” – melhorias que julguei necessárias pelo estágio da obra e sua execução. Meu pai aceitou as ideias acreditando no espírito jovem e inovador e deixou que eu fizesse tais alterações”.
“Mas vamos lá… O primeiro projeto 100% meu, que já acompanhei do começo, foi o Holanda´s Life Place, (no Cabo Branco). Lá, fizemos 28 apartamentos, sendo um por andar, baseados numa proposta que abraçamos de apartamentos grandes (nesse período João Pessoa tinha poucos prédios com esse conceito). A assinatura foi do arquiteto Fábio Romero e eu acompanhei tudo de perto, a partir da negociação da área, escolha do espaço etc”.
Depois do Holanda’s Life Place, deu-se início à construção de um novo conceito da marca Holanda, que impera hoje em João Pessoa.

“Quando eu era criança, meu pai comprava brinquedos com peças para montar cidades. A
gente fazia ruas, casas, comércios. Sempre brincávamos, eu e minhas irmãs, de fazer construções”.

Holanda, a marca
O embrião de sofisticação da marca Holanda surgiu no começo dos anos 2.000 e ganhou força até os dias atuais, confundindo-se com a história da vida profissional de Alisson. “A nossa preocupação não era apenas fazer apartamentos gigantes, mas trazer no edifício as inovações tecnológicas necessárias e soluções de arquitetura que estivessem sempre à frente do tempo, além de conforto e qualidade de vida aos moradores”, arremata.
Outra faceta do jovem empresário é a de viver agarrado aos detalhes, e, sendo assim, ele tem a necessidade de um acompanhamento total. “Exato. Um acompanhamento mais profundo na execução do empreendimento. As soluções que são dadas são baseadas no casamento perfeito da engenharia e arquitetura de cada projeto. E agora o Holanda´s Prime Shopping Residence é um grande exemplo disso.

“A nossa preocupação não era apenas fazer apartamentos gigantes, mas trazer no edifício as inovações tecnológicas ecessárias e soluções de arquitetura que estivessem sempre à frente do tempo”.

O novo
Quem passa pela avenida Nossa Senhora dos Navegantes, no coração de Tambaú, se depara com o novo – o Holanda´s Prime Shopping Residence – e já da fachada tem-se a impressão de que estamos diante dos prédios luxuosos de São Paulo ou Nova York – mas não, estamos em João Pessoa, que cresceu e exige do mercado mais arrojo e ousadia. O Prime – projetado e ambientado por nomes do quilate dos arquitetos Alexandre Lessa e Ana Sybelle Beltrão – abriu essa vantagem. E chegou com tudo.
Trata-se de um complexo de apartamentos para moradias em estilo prático, com espaços necessários, e no piso térreo a parte do shopping, restaurantes e lojas arrojadas. Tudo no mais alto padrão.
Em cada andar, observamos aparelhamentos informatizados, academia de ginástica, piscina, spa, sauna, salas de reuniões, um mundo de computadores.
“Quando desenvolvemos os outros projetos eram destinados as famílias. O Holanda’ s Prime (cuja denominação já diz, exclusivo) é o primeiro empreendimento com a nossa marca a ter apartamentos de um e dois quartos, num conceito de moradia mais “descolada””, avisa.
O foco é a solicitação de muitas pessoas que procuravam a empresa e elogiavam os apartamentos, mas algumas ressaltavam que eram grandes e queriam algo menor, com o conforto que a marca Holanda sempre oferece. “Exato. As famílias estão diminuindo e também veio a sacada de minha mãe para que construíssemos um prédio com infraestrutura, segurança e conforto para pessoas, por exemplo, da Melhor Idade. E pelo fato de estarmos em Tambaú e termos um espaço privilegiado veio logo a vontade de concretizar essa ideia”, registra.
Alisson vai além… Com a aquisição e dimensão da obra se pensou numa João Pessoa grande para receber o mega empreendimento. “Nós vimos ali a necessidade de desenvolver um projeto pensado como para as grandes metrópoles e focamos no desenvolvimento da nossa cidade, e, com essa realização, tentamos democratizar o bairro mais nobre da capital paraibana”. “Tambaú, Cabo Branco e Manaíra são nossas praias mais conhecidas. E Tambaú é um ícone. Muita gente quando vem conhecer João Pessoa, traz como referência Tambaú, pelo seu hotel emblemático, que adentra o mar (obra do arquiteto Sérgio Bernardes). É uma região que tem bucolismo”.
O mix desenvolvido para o shopping foi pensado exatamente para atender à necessidade local. “Nós fizemos uma pesquisa de mercado para desenvolver o projeto do prédio (em 2012) e depois fizemos outra pesquisa bem recente, para atualizarmos os dados e mostrar para as pessoas exatamente o desenvolvimento que Tambaú ganhou nos últimos anos e a necessidade de um shopping de bairro, que irá atender à vizinhança e a todos os pessoenses de bom gosto de várias partes da cidade. Queremos tornar o Holanda’s Prime Shopping Residence uma experiência especial, referência em sofisticação, o que será revelado já com a chegada de três grandes atrações: o restaurante Roccia, a Anita Patisserie e o Café Havanna, neste final de 2016 e início de 2017”.

“Queremos tornar o Holanda’s Prime uma experiência especial, referência em sofisticação”.

Voo solo
Como em um novo tempo, com novos projetos e um olhar renovado para o futuro. É nesse ritmo que Alisson dá continuidade a sua carreira profissional na construção civil e no empreendedorismo, consolidando agora uma marca própria, a NH. Holanda.
“Minha visão como construtor e gestor é uma descoberta desde o tempo do meu ingresso na Construtora Holanda, junto aos meus pais. O tempo passa e ele traz mudanças. Dessa caminhada, nasceu o desejo e necessidade de trabalhar uma marca própria, que tivesse a personalidade, solidez e a jovialidade que nos representasse. Nossa marca já chega com um histórico construído por anos de experiência, dedicação e reconhecimento. E um novo passo está sendo dado junto a minha esposa Raquel para a nossa família. A nova ‘NH. HOLANDA’ foi pensada como uma homenagem aos nossos filhos, Nathan, Nathalie e Nicole, sob as bênçãos de Deus e, claro, com o apoio dos meus pais.Nossa assinatura já é reconhecida como um sinônimo de qualidade e inovação nos empreendimentos que levam a marca Holanda. Nossa equipe, extremamente afinada, busca superar expectativas para posicionar a construção civil em um patamar elevado, encantando nossos clientes e buscando a excelência, expressa na satisfação da entrega do produto final”, garante.
Novos empreendimentos de alto padrão já estão nos planos da NH.Holanda, que nasce forte e inspirada na materialização dos desejos e sonhos, tendo como alicerce muita experiência e dedicação.

A soberania de Deus
“Não seríamos nada sem Deus. Como homem e construtor eu sinto isso. Nada se cria do nada. Sempre tem uma orientação que Deus deixou. Deus está na natureza, na força que nos põe de pé”, garante.
Ele é evangélico (todos na família são integrantes da Primeira Igreja Batista), e com a esposa Raquel e o filhos, durante a semana, frequenta três eventos religiosos da igreja. “Durante a semana com a família, existem as “células” que participamos juntos. E temos também o culto familiar que faço aqui em casa. Lemos a palavra de Deus que é muito importante em nossas vidas”. Esses eventos a que ele se refere acontecem no Espaço Gospel da avenida Rui Carneiro.
E quando ele diz que “minha família começou a conhecer Jesus”, tudo veio através da irmã Alana, (que mora nos Estados Unidos e é pastora), a primeira convertida. Depois foi minha mãe. Aline (a outra irmã que não está mais entre nós e hoje é uma saudade que aperta o coração) também se converteu em seguida”. Alisson, que foi batizado na igreja católica, lembra que sua mudança aconteceu em 2013. “Eu já era uma pessoa que acreditava em Deus. Minha esposa frequentava a igreja evangélica e levava meus filhos, até que a minha vez chegou. Também sempre fui muito espiritual, embora imaginando que era suficiente só saber que Deus existe…”, afirma.

“Nossa marca já chega com um histórico construído por anos de experiência. E um novo passo está sendo dado junto a minha esposa Raquel. A nova ‘NH. HOLANDA’ foi pensada como uma homenagem aos nossos filhos”.

Raquel, o amor e os filhos
Como foi que você conheceu o amor de sua vida? “Ah, isso aí é outra história longa. A gente se conheceu num churrasco, que fiz em minha casa e ela foi convidada por um amigo. Nesse dia nos olhamos e ali ficou uma sensação bonita. Dois anos depois, começamos a namorar. Raquel era a garota que eu sempre paquerava e quando veio o namoro, foi amor para a vida inteira”.
Da união, nasceram três filhos, Nathan, Nathalie e Nicole. O pai acredita que os filhos irão seguir o projeto da família que é a construção civil. “Da forma que a gente está presenciando, provavelmente eles vão atuar nessa área. Mas eu não crio expectativas, nem faço cobranças. Eu ficaria muito feliz, mas aceito as escolhas deles. A felicidade deles é a prioridade, não a minha”, enfatiza.
Alisson é um homem realizado? “Sim, me considero. Mas num exercício contínuo de novos desafios e objetivos, que são verdadeiros combustíveis”.
Adepto de um “lifestyle” saudável, ele não tem hábito de beber. Até lembra que os amigos do circuito social cobram a sua ausência, “mas foco minha vida em meus filhos, minha esposa, nossa casa e meu trabalho”.
Para alimentar a alma, o jovem empresário tem seu caminho de encontro com a paz bem definido… “Gosto muito de ouvir as canções gospel e os louvores. E a Bíblia é o meu guia”.

Pai e Mãe
E Alisson, sempre que tem oportunidade, não deixa de render homenagens e fazer declarações de amor pelos pais, Aldenor e Adaleide, que o trouxeram para conhecer a vida. “Os dois, como pai e mãe, fizeram sempre o melhor pelos filhos. Trabalharam ao longo de uma vida acreditando que o trabalho é o grande fudamento da existência e da construção da família. Ambos foram muito pobres e conseguiram crescer e vencer na vida. Tenho muita admiração por eles, são meus referenciais maiores, principalmente meu pai, por ter formado uma empresa, por ter sonhado e ter acreditado e desbravado o grande desafio. No nosso segmento, ele foi um visionário. E minha mãe também é uma sonhadora extraordinária, que chega a inspirar… Lutou sempre para que a família fosse o foco desse projeto, que o trabalho fosse parte de uma família e não a família parte do trabalho. Hoje eu olho para os dois e vejo o quanto eles lutaram e eu estava ali junto durante 18 anos. Tenho sempre que reconhecer o trabalho que eles fizeram. O ponto de partida de uma linda história, da força e continuidade nos êxitos da marca de credibilidade que é a Holanda na construção civil paraibana ”.

15321516_1267046790019867_898537298_o

Alisson Holanda: ATENTO AOS SINAIS

POR KUBITSCHEK PINHEIRO

(FOTO: LUCAS FREITAS)